A Rosa da Meia-Noite

29/05/2017

Por Diane Bergher

Descrevo Lucinda Riley como uma das escritoras da atualidade mais perfeitas. Sua escrita é leve, dinâmica e ao mesmo tempo viciante. E não podia ser diferente com a Rosa da Meia Noite.

Neste romance, Lucinda nos leva à India da época do apogeu do Império Britânico, nos fascinando com culturas e tradições diferentes, mesclando o novo e o velho, o antigo e o contemporâneo e nos brindando com ricos detalhes históricos.

O livro começa com Anahita comemorando seus 100 anos e dando início a narrativa de sua vida, sua aproximação com a princesa indiana que a levou para a Inglaterra, onde conheceu seu grande amor, Donald Astbury, e com ele viveu seus momentos mais felizes e tristes ao mesmo tempo. Este homem por quem Anahita se apaixonou era um nobre britânico falido e que casou com uma rica herdeira norte-americana. Incapaz de distanciar-se de Anahita, ele a leva para viver em uma simples casa em uma das propriedades da família. Lá, Anahita se torna amiga da esposa de Donald.

"- Não tenho escolha, preciso suportar - eu disse, com determinação.

- E você precisa saber, Anni, que o ato de gerar essa criança foi um dever e não um prazer."

Donald se vê a todo momento dividido entre os deveres como herdeiro de uma das mais aristocráticas famílias britânicas e o seu amor por Anahita, que, por sua vez, mostrou-se uma mulher consciente das escolhas que fez e do que abriu mão para permanecer ao lado de Donald.

Também não há como sentir raiva de Violet, a esposa de Donald. Apesar de frágil e mimada, não tem um coração ruim e acaba por se afeiçoar a Anahita durante a gravidez. É justamente nesta aproximação entre as duas que a autora explora com maestria o tema pré-eclampsia e como a medicina chegou a descoberta do quadro que vitimou e ainda vitima muitas gestantes.

É claro que a narrativa da história de amor impossível não segue uma linha do tempo convencional, pois estamos falando da diva Lucinda Riley. Como em seus outros livros, a autora intercala o presente e o passado a todo momento e o leitor precisa estar muito atento a troca dos tempos em que são narrados os capítulos. 

Para narrar os eventos da atualidade, Lucinda introduziu os personagens Ari e Rebecca. Com o diário da avô em mãos, Ari parte para Inglaterra para pesquisar sobre a verdadeira origem de sua família, onde encontra Rebecca e com ela começa a trazer à tona os segredos obscuros que assombram a dinastia Astbury.