Diane Bergher

13/09/2017

 Diane Bergher deu largada a uma série de encontros entre as administradoras do Chá das Seis com suas leitoras. Os encontros são sempre às terças-feiras, no fanpage do Chá das Seis.

Se você perdeu o encontro com a Diane, pode conferir a seguir o que rolou por lá! A Diane deu espoilers sobre seus livros e falou um pouquinho dos seus projetos para 2017. 

Internauta: Conta pra gente de onde saiu a sua inspiração pra escrever!

Diane: Essa é uma das perguntas mais tormentosas para mim responder. Uma amiga minha costuma dizer que minha cabeça é uma verdadeira caixa de pandora e que nasci inspirada. Ela fala tanto isso que até me convenci. Kkkkk

Internauta: Quais os personagens principais dos proximos livros

Diane: Da Série Belle Époque? Livro 03, teremos Bento e Helena; Livro 04 - Danilo e Lorena e livro 05 - Duque de Cumberland e Irene.

Internauta: Conta pra gente como anda a Série Epifanias de Amor. Quando teremos livros físicos?

Diane: No Wattpad, o livro 2, Ela é Minha, está nos seus momentos finais. Depois de uma pequena pausa, vem o livro 2.5, que é o conto de Heitor e Sarah, com o título de Para Sempre Ela. O livro 3 tb já tem título: Eu Quero ela. Epifanias virará Trilogia Ela na sua versão em papel e Quando ela chegou está em fase final de edição. Acredito que, no mais tardar, início de abril, será lançado.

Internauta: Algum de seus personagens foi baseado em pessoa real? (algum (a) amigo(a), parente)?

Diane: A Malu foi inspirada na Cinthia Basso, minha querida amiga e parceira aqui no Chá das Seis, que nos brinda com as Crônicas da Sociedade Carioca. A Ci é engenheira, doce e espontânea como a Malu.

Internauta: Além de escritora você é blogueira. Conta pra gente como funciona essa relação você e o chá das Seis.

Diane: As meninas do Chá das Seis são maravilhosas e apesar de cada uma de nós viver em um canto do país, conseguimos nos sintonizar muito bem. A parceria no Chá deu muito certo e em menos de um ano, já estamos colhendo belíssimos frutos.

Internauta: O que você sente toda vez que escreve?

Diane: Eu sinto uma emoção profunda, como se aquela estória precisasse sair de dentro de mim, é algo divino para ser mais sincera e coisas divinas são difíceis de explicar. Escrever faz parte da minha alma e depois de muito lutar contra isso e até negar meu dom, eu resolvi me entregar e foi a melhor decisão que podia ter tomado.

Internauta: Seus familiares te apoiam nessa vibe de escritora? Tem alguém que ache que isso é perda de tempo?

Diane: Meus familiares estão todos ainda confusos com isso. Por outro lado, estão "digamos" conformados, é comum dizerem: "eu sabia que ia acabar nisso". Mas, no geral, todos me apoiam, em especial, meu marido.

Internauta: Quem são os escritores que você admira e curte como inspiração pra escrever seus livros?

Diane: Eu tenho verdadeira paixão por Judith McNaught, Lucinda Riley, Julia Quin e Loreta Chase. Mas o muso dos musos é Érico Veríssimo.

Internauta: Nos conte um pouco sobre a sensação que sentiu assim que assinou contrato com a editora que publicará a Série Epifanias de amor.

Diane: Eu sou advogada, então, quando assinei o contrato, eu entrei no modo advogada e tentei ser a mais racional possível. Agora no dia que eu abri meu Wattpad e vi alguns convites de editoras para publicar meu livro, ah... Nesse dia, eu não sabia se chorava, gritava ou ria. Kkkkk

Internauta: Nos fale um pouco como é lidar com a vida pessoal, o trabalho, o blog e mais a vida de escritora.

Diane: É um pouco trabalhoso, mas quando se faz com prazer, tudo fica mais divertido. Como veio de um meio bem corrido, já estava acostumada com o ritmo acelerado, então, tenho conseguido conciliar bem até então.

Internauta: Nos responda uma coisa: O que você acha sobre o mercado literário brasileiro?

Diane: Eu acredito,que o mercado literário nacional ainda tem muito que crescer. Há ótimos autores no mercado, prontos para serem descobertos. Por outro lado, o custo e o tempo de produção de um livro no Brasil é muito dispendioso, o que afasta os investidores sérios do mercado.

Internauta: Tem algum outro gênero que gostaria de escrever?

Diane: Uma distopia ou uma fantasia!

Internauta: Como é a sua ligação com seus seguidores que comentam, votam e acompanham seus livros no Wattpad?

Diane: Minha relação com eles é muito carinhosa. Todas as minhas leitoras são amorosas e isso me enche de orgulho.

Internauta: Quais as músicas que ouve durante a escrita? Tem uma Playlist no Spotify?

Diane: Eu não tenho playlist para escrever. Eu escrevo até com um bombardeio ao lado. Apenas escuto música para caminhar, um dos momentos em que meus cenários e personagens são construídos.

Internauta: Como você lida com as famosas críticas e o bloqueio criativo?

Diane: As críticas fazem parte da vida de um escritor. Procuro aprender com elas, mas às vezes, alguns críticos ultrapassam os limites do nosso trabalho e acabam por nos magoar, nestes casos, também procuro relevar e seguir em frente. Quanto ao bloqueios, meu método é escrever outra estória. Espero ter respondido.

Internauta: Se você pudesse escolher viver na realidade de um dos livros que escreveu. Qual dos livros escolheria?

Diane: Um Amor para Penélope, aliás, se tivesse uma máquina de voltar no tempo, eu voltaria, sou uma amante da história.

Internauta: Tem algum livro que achou mais difícil de escrever?

Diane: Sempre foi Você, pela densidade dramática dos personagens envolvidos, os temas também exigiram muito de mim, indo desde o aborto até a internação de uma mulher durante quase 30 anos em um sanatório.

Internauta: Você pesquisa sobre as épocas para escrever os livros ou tira inspirações de filmes e novelas?

Diane: Primeiro, eu monto o enredo e depois vou atrás para pesquisar, para ter certeza que não escrevi nenhuma coisa descabida. É claro que ler muito romance de época ajudou muito para criar as estórias.

Internauta: Di, qual seu sonho como escritora?

Diane: Que meus livros sejam comercializado num valor baixo, para que todos tenham acesso a eles.

Internauta: A querida Desiree Nascimento aborda sua doença no livro. Nos conte um pouquinho sobre Ensaios de borboletas e a fibriomalgia:

Diane: Ensaios de Borboletas é o título de um compilado de textos que escrevi durante a minha terapia. A ideia original do livro foi minha, mas sempre foi muito difícil para mim descrever cenas que me machucaram muito. Precisei de muita força de vontade para refazer minha vida e aprender a conviver com uma doença que é praticamente um fantasma na vida. Em uma conversa sem maiores pretensões com a Desiree, ofereci para ela a estória e ela topou. Desiree é uma alma sensível, que consegue captar com maestria as vicissitudes das dificuldades humanas. Não podia ter escolhido escritora melhor para contar a estória de Clarissa e Miguel.

Internauta: Qual foi a cena que mais te emocionou quando escreveu?

Diane: De longe foi a cena em que Maitê conta para Melissa que abortou, do livro Sempre foi Você. Eu chorei muito ao escrever, ao revisar e chorei de novo com os comentários das leitoras.

Internauta: Nos conte algo sobre o final de Um Amor para Penélope.

Resposta: Então... O final de Um Amor para Penélope será recheado de revelações. Finalmente, Felipe saberá o que o Duque de Cumberland veio fazer no Brasil e não foi para se casar com Penélope. Dona Violeta terá um papel decisivo no desfecho. Flora fugirá com Yuri no dia do aniversário de Penélope e isso só será o estopim para o resto da confusão. Ah... E o epílogo será narrado por Felipe, o ogro mais fofo do século passado.