Fabiana Lange Brandes

13/09/2017

Com graduação em Letras, Fabiana sempre foi uma apaixonada pela literatura. Professora durante a maior parte de sua vida, sempre incentivou a todos para o hábito da leitura e da escrita. Ministrante de palestras sobre gêneros literários e literatura em geral, a autora já foi vencedora de diversos concursos de obras literárias e musicais. Já participou de diversas antologias, possui um livro de poemas publicado (produção independente) e já realizou muitos eventos de declamação de poemas. Contadora de histórias certificada, já se apresentou em diversos lugares e seu trabalho é muito conhecido na região do Alto Vale, em Santa Catarina. Possui vasta experiência como analista de material bibliográfico e revisão textual, ou seja, está sempre em contato com os textos e as literaturas. Blogueira de dois blogs literários (Amores e Livros e Livros e Legendas), conta também com uma página de crônicas no Facebook, seu projeto mais recente (As crônicas de Fabi). Também é membro da Academia de Letras do Brasil ocupando a cadeira número 4 da Seccional de Presidente Getúlio, SC. Seu primeiro romance, Das coisas que o amor não conta, é sua grande aposta para o atual ano, o qual visa consagrar a autora no cenário literatura nacional.

O Chá das Seis teve o prazer de entrevistar esse amor de pessoa. Confira abaixo a íntegra da entrevista da Fabi.

Chá das Seis: Quem é Fabiana Lange Brandes?

Fabiana: Sou uma eterna romântica e sonhadora. Ansiosa por natureza, gosto de estar em contato com o público e com as letras. Acho que elas me acalmam, ambas.... as letras e as pessoas.

Chá das seis: Conte-nos um pouco como surgiu o gosto pela escrita e quando decidiu que era hora de colocá-la em prática.

Fabiana: Desde os oito anos comecei a escrever poemas e não parei mais. Fiquei nos poemas por muitos anos, até passar pros contos, crônicas e agora um romance. Foram anos de muito aprendizado, e ainda tenho muito para caminhar. Quando pequena, amava ler gibis e livros infantis, apesar de minha cidade ser muito pequena. Não fui incentivada à leitura pelos meus pais, mas pelos meus professores fui muito.

Chá da seis: Quais são seus autores preferidos, e quais deles te inspiram e influenciam em sua escrita e porquê?

Fabiana:Admiro Paulo Lemisnki e Olavo Bilac. No campo do Romance, Marc Levy ganhou meu coração, assim, como Danielle Steel e Nora Roberts, clássicas. Nas crônicas, Martha Medeiros, Carpinejar e Luis Fernando Veríssimo me encantam.

Chá da seis: O que te inspira a escrever?

Fabiana: Depende muito. Essa é a pergunta que qualquer escritor não sabe explicar. Mas creio que o cotidiano é o me que fascina.

Chá das Seis: Em sua conta no wattpad, vemos que escreve vários gêneros, desde contos a poesias e romances, destes, qual é o seu preferido e por quê?

Fabiana:Atualmente, estou apaixonada pelas crônicas. São leves (ou não) e me dão a liberdade de serem biográficas ou não. Adoro essa dança.

Chá da seis: O romance "Das coisas que o amor não conta" narra a estória de Eveline diante da pressão social após a morte de seu marido. Isso acontece no mundo real também. Muitas mulheres talvez já fizeram algumas destas perguntas em algum momento de seu relacionamento. O que te inspirou a escrever este livro? Você se identifica com a personagem?

Fabiana: Sinceramente? Passei por uma situação muito difícil com meu marido em questão de doença e houve um dia que me imaginei viúva aos 26 anos. Sonhei com isso e falei pra minha terapeuta, e ela me sugeriu que eu pusesse isso no papel. Dali por diante, não parei mais e escrevi meu primeiro romance, me questionando sobre os comportamentos que a sociedade impõe para as jovens viúvas. Alguém para pra pensar nisso? Bom, eu parei! Me identifico com Eveline em alguns aspectos da personalidade e físicos, me vejo bastante em Eveline.

Chá das seis: Tem um novo projeto em mente?

Fabiana: Tenho sim. Quero lançar um livro com minhas crônicas. Mas por enquanto, temos que trabalhar com o romance.

Chá das Seis: Onde podemos encontrar suas obras?

Fabiana: Nas plataformas do Wattpad, Amazon e fisicamente nas livrarias.