Jay Crownover

13/09/2017

Jay Crownover é autora best-seller do New York Times e USA Today. Ela mora no Colorado (EUA), com seus cães, amante da música e dos livros. Seus livros ganharam o mundo, sendo traduzidos para várias línguas. No Brasil, não foi diferente e a Série Homens Marcados caiu na boca do povo, principalmente das fãs de romance erótico.

O Chá das Seis teve a honra e a exclusividade de entrevistar essa incrível escritora. A Jay é uma fofa, além de muito talentosa e carismática. Deixou abraços fofos para as leitoras do Chá da Seis.  

Chá das Seis: Você pode falar mais sobre a criação de seus personagens?

Jay: Eu sinceramente não sinto como se eu os criasse. Eu sinto que eles existem em algum lugar da minha mente e que quando eles não são mais felizes com esse espaço, começam a me contar suas histórias. Alguns são mais exigentes do que outros ... Alguns que eu conheço por dentro e por fora e alguns que eu aprendo lentamente e firmemente sobre ele e como sua história se desenrola. Todos eles têm lições aprendidas ou ensinadas na minha própria vida ao longo do caminho e todos eles têm pedaços de pessoas que eu conheço, admiro ou que tenham atravessado caminhos em minha vida. Na verdade, eu deixo os personagens fazerem todo o trabalho.

Chá das Seis: Se você pudesse escolher, qual deles traria vida?

Jay: Salem para que eu pudesse roubar seu armário, emprestar seus sapatos e também Pet seu cão adorável. Ou até mesmo Rowdy não seria nada ruim.

Chá das Seis: Você tem novos projetos? Você pode falar um pouco sobre eles?

Jay: Eu tenho muitos. Não estou certa de quantos estão indo para o Brasil, mas além dos Homens Marcados, estou terminando minhas séries Santos de Denver e Momento. Eu também acabei de lançar uma série de suspense nova, chamada Getaway que é muito diferente de qualquer coisa que escrevi antes!

Chá das Seis: Qual é o seu conselho para os autores iniciantes?

Jay: Ser corajoso e ter fé em si mesmos. Todos nós nos sentimos insuficientemente bons, ou talentosos o suficiente em um ponto ou outro. A chave é acreditar no que você está fazendo, que sua história tem que ser contada. Também é importante escrever as palavras. Você não pode ser um escritor se você não escrever. Acho que também é importante ler! Eu nunca vou entender um autor que diz que não lê.

Chá das Seis: E, finalmente, o que você diria aos seus leitores brasileiros?

Jay: Eu diria obrigada por lerem meus livros. Adoro os e-mails que recebo do Brasil. Eu amo que estão sempre pedindo mais e mais livros para serem publicados. Eu diria que continue lendo e sugerindo os livros que você ama para seus amigos e leitores companheiros.

* Entrevista traduzida por Cinthia Maria Basso.