O assassino que me amava

18/01/2017

Resenha por Diane Bergher

O Assassino que me amava, de Heloisa Benini, me chamou a atenção pelo título. Títulos intrigantes sempre foram minha perdição e confesso que muitos livros me conquistaram pelo título. Porém, esse livro é muito mais do que um título, passei 5 dias totalmente mergulhada num mundo alucinante: a estória da vida de Denise, uma mulher forte, decidida, objetiva e cheia de atitude, totalmente fora do estereótipo que estamos acostumados a conhecer nos romances. Denise é uma policial que, sem querer, acaba envolvida até o pescoço no submundo do crime, apaixona-se e engravida daquele que matou seu marido e que também deveria tê-la matado, acaba se casando com um poderoso e violento mafioso, foge dele carregando um filho e no meio de tudo isso ainda tem que enfrentar um problema cardíaco, sequela de um ferimento de bala. E isso é somente uma amostra do que nossa heroína passou. O enredo criado pela escritora é o ponto alto do livro, na minha opinião. É digno de roteiro, mas não de um filme, porque não iria conseguir compilar todos os fatos narrados, e sim de uma série, com no mínimo umas 5 temporadas. Também merece destaque o fato de que a autora em nenhum momento romantizou o envolvimento amoroso de Denise com homens fora da lei. É claro que haverá a redenção de um deles no final, mas a caminhada de Denise foi difícil e árdua, sendo vítima de várias violências. Sinceramente, senti raiva da Denise, no início. Perguntava-me como uma mulher inteligente e bem resolvida poderia se deixar enganar tão facilmente a ponto de se casar com um homem tão violento como Ross. Com o decorrer da trama, dei-me conta que o livro passa uma mensagem muito forte a respeito da questão da violência feminina e da emancipação sexual da mulher. Aliás, nesse último ponto, devo parabenizar a escritora ao quebrar o paradigma e deixar de trazer um protagonista masculino "galinha". Denise se envolveu sexualmente com diversos parceiros ao longo do livro, sem qualquer pudor; sim, Denise sentia prazer e não se sentia culpada por isso. Todas as cenas hots eram descritas a partir da experiência de uma mulher bem resolvida e que sabe o que quer na cama. Denise foi para mim uma das protagonistas mais complexas que conheci e que mais espelhou a verdadeira alma de uma mulher, foi dura e forte quando preciso, ao ponto de chocar-me em vários momentos, mas também foi delicada, suave e sonhadora em outros. Enfim, O Assassino que me amava merece ser lido, mas reserve um bom espaço antes na sua agenda, porque a leitura é viciante e o livro é longo.

P. S. O livro está disponível no Wattpad e na íntegra.