O segredo de Emma Corrigan

15/03/2017


O segredo de Emma Corrigan - Sophie Kinsella

Quem já leu alguma obra dessa autora, sabe que ela preza por momentos cativantes ao invés de momentos eróticos, o que eu tenho que admitir, nos deixa extasiados com a leveza da escrita. É surpreendente a forma como ela prende o leitor e a forma como nos faz gargalhar até mesmo das coisas mais absurdas.

Eu realmente ri muito com esse livro e quando digo muito, foi muito mesmo. Emma é uma personagem totalmente maluca e mais parecida conosco do que somos capazes de observar. Em uma viagem de avião, depois de uma reunião frustrante, ela se vê em meio a uma possibilidade de morrer e acaba contando todos os seus segredos mais humilhantes para o homem na poltrona ao lado. Essa cena é de longe uma das mais engraçadas, porque ela fala sem pudor nenhum e sem pensar que caso saia viva dali, terá que lidar com as consequências da sua falta de vergonha.

Mas para quê ela se preocuparia? Nunca mais veria o homem mesmo!

O grande problema é que ela o vê novamente e o pior, ele é o dono da empresa onde trabalha. Teria como ser mais desesperador do que isso?

Emma acaba tendo que conviver com Jack Harper que parece se lembrar de tudo que ela disse e se divertir às suas custas. Talvez ele se importasse com o que ela pensava, mas talvez não... E se desse convívio fora do normal surgisse algo mais? Pois é, Emma com seu noivo conformado e parecido com o Ken da Barbie de tão lindo, se vê presa em meio a dois sentimentos perturbadores, acabar com a relação fria e estável ou embarcar em uma paixão com seu ouvinte, que sabe todos os seus segredos.

Sem dúvida nenhuma, um livro sem muita ação, nada perigoso, porém, envolvente por causa da transformação que percebemos na protagonista. Deixando-nos a seguinte incógnita: é mesmo tão ruim as pessoas te conhecerem do jeito que você é?

" - ... eu nunca contaria isso a ninguém, nem em um milhão de anos. Mas às vezes acho que ele é bonito demais. Meio tipo um boneco daqueles, sabe? Tipo o Ken. Um Ken louro.

E agora que cheguei ao assunto Connor, estou dizendo coisas que nunca disse a ninguém. Coisas que nem sabia que estavam na minha cabeça.

- [...] decididos a achar meu ponto G, por isso a gente passou a semana inteira transando em posições diferentes, e no fim eu estava acabada, só queria uma pizza e assistir ao Friends... ele ficava dizendo: como foi, como foi? E no fim eu simplesmente inventei qualquer coisa, disse que foi absolutamente incrível, que pareceu que meu corpo inteiro estava se abrindo como uma flor, e ele perguntou que tipo de flor, e eu disse uma begônia..."

Quem se interessou pelo livro, basta apenas clicar na imagem a seguir e comprar seu exemplar.